28 dezembro, 2011


Como uma noite de verão, assim se encontrava esta. O céu compunha-se limpo de estrelas. Uma aqui, outra ali e/ou outra acolá. Vazio. Assim como a minha alma. Uma leve brisa me arrepiou a pele. Estava frio e batia dente. Mesmo assim, sentia-te comigo. Sabia que também te encontravas debaixo do mesmo céu que eu, debaixo da mesma escuridão que eu, debaixo daquela e (quase) única estrela que, ali, tremeluzia. Naquele ponto alto lá em cima. Não cheguei a pedir nenhum desejo, não cheguei a suplicar. Pedi, sim, que me prometesse que, por onde caminhássemos, ela nos abrigaria. Dia e noite, de segundos a instantes. Que nos protegesse e que nos guardasse no seu coração. Pois, um dia, seria lá que nos voltaríamos e encontrar. No alto, entre milhões.
(inventado)

8 comentários:

Renata disse...

Obrigada e sigo de volta*

disse...

Escreves lindamente :))

m. disse...

Está lindo, gosto imenso da maneira como escreves! Ah e adoro o blog. Sigo-te :)

Marisa Ventura disse...

obrigadíssima! * bom 2012

Marisa Ventura disse...

obrigada princesa*

m.inês disse...

muito obrigada ((((((((:

Raqél Almeida disse...

Obrigada querida. Sigo-te também (:

Lєтıs '' disse...

Oh, obrigada querida :$ também te sigo (: