13 janeiro, 2016


Dói ver-te chorar. Dói tanto, tanto e tanto. E tu és uma mulher guerreira. Uma avó, uma mãe, uma irmã mais velha, uma melhor amiga, uma ouvinte, e uma grande mulher. És isso tudo numa só pessoa. E dói ver-te chorar, avó. Dizes que todos temos as nossas batalhas, que nascemos com o destino já traçado, e isso deixa-me muito a pensar. Dizes que os dias são experiências, e ensinaste-me que o sabor da vitória tem um gosto incrível. Eu não vi o tempo a passar tão depressa, mas senti-o. Senti aquela sensação de mudança de dia para dia. Dei por mim a olhar-te como nunca tinha olhado, verdadeiramente. Vi que o tempo desgasta-te e que está na hora de fazer por ti o que fizeste por mim. Não são retribuições para que a consciência não me venha  a pesar – nada disso -, apenas chegou o momento. Eu sinto(-o). Hoje, dependes de mim para muita coisa, e a preocupação para contigo está enorme. Hoje, sei que te devo a minha vida e a mais ninguém! Hoje, sei que és daquelas pessoas que terei para sempre, e que nunca irá embora. Mesmo quando o pior momento chegar. Hoje, sei o que é amar uma pessoa que fez o lugar de mãe e pai. E eu estimo-te e nem sempre o demonstro. Dizes que sou uma grande mulher. Só não sabes que tudo isso é graças a ti, e a tudo o que fizeste por mim. E continuas fazendo.

7 comentários:

Renata disse...

Lindissimo!
r: Obrigada pelas tuas palavras princesa :)

TheNotSoGirlyGirl disse...

Lindo. :) sente-se o amor nas tuas palavras! beijinho

Ísis disse...

Magnifica dedicatória. Um texto fantástico. Adorei, mais uma vez.

Cláudia S. Reis disse...

Que texto maravilhoso! Tens um coração de ouro e a tua avó é uma pessoa cheia de sorte por ter alguém que a ame como tu amas :)

Marianna Colibri disse...

Que texto lindo... Segui!

arya disse...

Que palavras lindas. Revi-me muito nelas pois também eu sou muito chegada à minha avó. Na verdade sou mais chegada a ela que aos meus pais. Ela educou-me e sou o que sou hoje porque ela me deu as bases para o ser. Sei como é vê-las mais frágeis de dia para dia e sentir medo de que o amanhã junto delas já não exista. Força, tudo vai correr bem :)

Ana Ferreira disse...

Sinto tanto o que escrevesse aqui. Elas são uns doces, insubstituíveis!