04 fevereiro, 2016

Li: "Há palavras que nos beijam, como se tivessem boca./ Palavras nuas que beijas, quando a noite perde o rosto; Palavras que se recusam aos muros do teu desgosto./ De repente coloridas entre palavras sem cor, esperadas inesperada..."  Alexandre O'Neill

7 comentários:

Teresa Isabel Silva disse...

Adorei...

Bjxxx

Ísis disse...

Tão perfeito!

Ísis disse...

r: Obrigada querida.

nasty disse...

Hoje durante a novela citaram esse mesmo poema e eu lembrei-me que há uns tempos atrás já o tinha lido, é maravilhoso sem duvida!

Teresa Isabel Silva disse...

Muito bom!

Bjxxx

mム尺goん disse...

O sublime da vida é um tesouro íntimo, sereno.



abç

Ana Roma disse...

Gostei!